quarta-feira, 10 de novembro de 2010

The Walking Dead - Primeiras impressões

As portas do inferno foram abertas mais uma vez, dando passagem aos mortos, que voltam à vida para saciar sua fome de carne humana. Como, quando, onde e por que os ataques começaram são perguntas sem resposta. E, sinceramente, ninguém dá a mínima pra isso. Apenas uma coisa está em jogo: sobrevivência. Pronto, esse é o básico para qualquer produção sobre zumbis, não importa a mídia escolhida para se trabalhar. No caso de The Walking Dead, primeiro os quadrinhos, agora a TV.
A trama criada por Robert Kirkman não foge à regra. No comando de um grupo de sobreviventes de um apocalipse zumbi, o policial Rick Grimes cruza os Estados Unidos em busca de um local seguro para viver. E ainda há um clássico detalhe envolvido: o protagonista estava em coma no hospital e, após despertar, terá que se adaptar ao novo e perigoso mundo, enquanto procura pela esposa e pelo filho.
Não comecei ainda a ler os quadrinhos, cujos números de 1 a 70 já estão no meu computador – a série está na edição 78, se não me engano. Mas assisti aos dois primeiros episódios transmitidos em canal fechado no Brasil – Fox. O resultado? A cada cena, me vicio. Tenso, dramático e complexo. Esse universo não poderia ganhar vida de outra forma. Não é à toa que a televisão vem superando o cinema qualitativamente nos últimos anos.
Apoiada num forte esquema de marketing, além, é claro, da presença de um craque como Frank Darabont nos bastidores (produção e roteiro), a estreia de The Walking Dead foi aguardada ansiosamente por fãs do gênero de todo o mundo. E quando a hora chegou, não houve desapontamentos – uma ressalva apenas aos cortes que a Fox fez na exibição por aqui: 90 minutos nos EUA e 56 minutos no Brasil. Ridículo e sem explicação lógica.
Ainda assim, a paixão por esses corpos sangrentos e em decomposição acontece à primeira vista (macabro isso, né? Hehehe). Se a série teve algum defeito até agora, juro que não percebi. Dirigido pelo mestre do terror, Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica, Poltergeist), o episódio piloto possui uma estrutura cinematográfica bem definida, tanto na progressão dramática quanto no ritmo ágil empregado nas cenas de suspense.
Outro aspecto interessante é o desenvolvimento dos personagens. E isso será legal de acompanhar, pois na TV essa relação personagem-espectador tende a se tornar “íntima”. É inevitável a cumplicidade que surge daí – vide o que aconteceu em Lost. E ouso dizer que mais do que questões como roteiro, direção ou efeitos visuais, é nessa empatia com o público que reside o sucesso de uma série de televisão. Afinal, você não vai torcer, seja contra ou a favor, por temporadas a fio, se não se importar com o personagem.
The Walking Dead começou bem, muito bem. E mostrou a que veio logo na primeira cena, quando Rick dá de cara com uma criança zumbi e mete um balaço na cabeça da menina. Ela ilustrou perfeitamente o que esperar da série. O tempo da inocência ficou para trás. A humanidade regrediu. Os instintos primitivos estão em voga. A barbárie impera. É a arte imitando a vida. Só adicionando os zumbis...

2 comentários:

Tanto disse...

Muito interessante tua crítica. Concordo com tudo, com a empolgação e perfeição da séria, mesmo que me incomode um pouco esse espaço de uma semana entre uma episódio e outro...

Carlos Eduardo Vilaça disse...

Cara, há muito tempo eu não acompanho uma série pela Tv a cabo. Ou espero sair a temporada em DVD ou baixo pela internet. Mas essa, sinceramente, não dá, hehehe. Tô vidrado mesmo!