segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

O Lado negro da tecnologia




(Texto Originalmente publicado na edição do Diário do Pará, caderno Você, de 16/02/2015)

Já na primeira cena do episódio que abre a temporada inicial de Black Mirror, um vídeo enviado para uma rede social mostra a princesa inglesa sequestrada por um terrorista mascarado, em um futuro próximo. Em troca da vida da moça, ele exige que o primeiro ministro do país faça sexo com uma porca em rede nacional. Não vou contar o resto da trama para não correr o risco de dar spoilers, mas as consequências a partir desse jogo de tensão surreal são devastadoras para a vida de todos naquela nação e a facilidade de acesso a tecnologias da informação contribuem diretamente nessa convulsão social, para o bem ou para o mal.
É exatamente esse limite do bom senso entre a internet e a sociedade que a série trabalha, usando suas tramas como alegorias para discutir o presente e o futuro e nossa interdependência aos sistemas e bites gerados na grande rede mundial de computadores. E está cada vez mais claro que no território livre da internet, o pedágio está na falta de bom senso. Tudo é motivo para ataques, trolagens (para um termo comum em discussões online), ciberbullyngs e todo tipo de ataque contra o outro. Toda ação pode virar uma histeria coletiva, onde basta que um primeiro ataque vire linchamento virtual, sem nem um respiro de questionamento se é isso mesmo que queremos.
As duas temporadas já produzidas possuem três episódios cada. É uma série curta, mas importante e subestimada. Não há pontes entre as narrativas.Cada capítulo possui uma trama fechada, com atores, épocas e até realidades diferentes, mantendo o estilo chocante da clássica Além da Imaginação. Há ainda um especial de Natal ótimo estrelado por Jon Hamm (Mad Men) e a promessa de uma nova leva de histórias para 2016.  
O melhor de Black Mirror é a quantidade de temas atuais que se relacionam em camadas em cada roteiro. No segundo episódio, a trama trata de crise de energia, interação social através de telas e de quebra ainda traz uma crítica mordaz aos reality shows. Já o derradeiro do primeiro ano, os assuntos em pauta são o voyeurismo e a biotecnologia. Este episódio, inclusive, sobre inplantes cerebrais que gravam e projetam todas as imagens dos olhares dos cidadãos teve seus direitos adquiridos e deve virar um longa metragem produzido por Robert Downey Jr. E um remake (claro) americano já está em produção para estrear em 2016.
Já a segunda temporada, que estreou em 2013, falou sobre solidão, carência afetiva, linchamentos virtuais, o uso de avatares, política e o culto aos celulares e smartphones. Black Mirror é uma série para ver e refletir. Está disponível em reprises na televisão por assinatura e também em sites de torrent. Afinal, estamos falando de transgressão tecnológica também, não?.

Nenhum comentário: