segunda-feira, 22 de junho de 2015

Belém ocupada por cidadania


Belém vive um momento interessante. O poder público “come moscas” e não sabe como criar ações de integração e movimentação social. Para os nossos governantes, a periferia é apenas um local de sobrevivência, onde a população se contentaria com coleta de lixo (ruim, por sinal) e pintura de fachada para praças e escolas. Mas, mesmo os bairros centrais estão entregues à própria sorte, como a Cidade Velha. Felizmente, entidades, movimentos sociais e moradores estão se mobilizando para reocupar os espaços da cidade com programações culturais e estimulando a convivência entre moradores, artistas e pesquisadores.
Já temos ações como o Circular Cidade Velha e a criação do PROA, que promete estimular iniciativas a partir do amplo debate entre os atores sociais envolvidos. O projeto Circular, por exemplo, aproveita a Campina como um bairro histórico e cultural e procura valorizar o local, reutilizando as estruturas e prédios com muitos ensaios, eventos, projeções e exposições, fortalecendo a cultura como negócio e estreitando a relação com que mora ali.
Agora, a Universidade Federal do Pará, através da Faculdade de Comunicação, promove uma programação, esta semana, de comunicação coletiva no bairro da Terra Firme, chamada “Belém 400 anos, sob o olhar do Gueto”. Lá, em várias edificações, serão feitas oficinas de comunicação, produção e debates sobre as problemáticas da periferia. As ações iniciam amanhã, dia 23, e seguem até sábado. É uma atitude importante para a cidade. Primeiro, por integrar a população e depois por usar a estrutura da universidade voltada para onde ela sempre deveria estar: a população no entorno dos campi.  A programação completa está no site da UFPA: www.ufpa.br. A cidade, como espaço de cidadania, agradece.

E3
E na última semana, os gamers ficaram eufóricos com os painéis apresentados na E3, evento do mundo dos jogos eletrônicos comparável a Comic-Con de San Diego quando o assunto é cinema e cultura nerd. Mas, há um aspecto interessante que diferencia os dois segmentos: enquanto no segundo, as exigências são, digamos, mais baixas com relação à qualidade do material apresentado (muitos filmes e séries são ruins, mas como têm suporte pop são louvados com euforia), no primeiro grupo, destaca-se o nível de cobrança dos jogadores: os jogos precisam ter qualidade gráfica, boa jogabilidade e uma história interessante.
Quando falta algum desses elementos, as produtoras são caçadas em fóruns e redes sociais (aconteceu recentemente com Watch Dogs e Assassins Creed Unity, cheios de bugs e histórias repetidas). Por isso, as empresas tentam cada vez mais entregar coisas de qualidade alta e fazer apresentações dignas do Oscar. Marketing sim, mas com um produto final de respeito, é o que fazem Microsoft (Xbox One) e Sony (Playstation 4). Só a Nintendo que parece que parou no tempo. Está correndo sério risco de virar uma Sega em pouco tempo.

Nenhum comentário: